Notícias

Imagem

MANIFESTANTES FAZEM ATO CONTRA O AUMENTO DA PASSAGEM E PEDEM REVISÃO DA LICITAÇÃO DO TRANSPORTE EM CURITIBA

Após o anúncio do aumento da tarifa do transporte público de Curitiba, um grupo de cerca de 300 manifestantes se reuniu, nesta terça-feira (26), em protesto contra o reajuste. Os participantes se encontraram por volta das 17h30 na Praça Rui Barbosa, e no início da noite caminharam por ruas do Centro em direção ao terminal Guadalupe. Entre as reivindicações, está a revisão da licitação do transporte da capital.

O valor da passagem subirá de R$ 4,25 para R$ 4,50 já nesta quinta-feira (28). Até lá, a população insatisfeita promete fazer novos atos contrários ao aumento. “A prefeitura diz que esse aumento é abaixo da inflação, mas o salário da maioria das pessoas não teve correção nenhuma, então como vão pagar por isso?”, disse o diretor do Sindicato dos Bancários de Curitiba, André Machado, representando uma das categorias presentes no ato. Outra reclamação do grupo é o fato de não haver auditorias rigorosas para definir o custo real do transporte da cidade.

Outro dos representantes dos manifestantes a falar foi Lafaiete Santos Neves, membro do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes). “Tivemos uma reunião na semana passada com o presidente da Urbs, para ele explicar como é formada a tarifa técnica, e ele só mostrou índices”, disse Neves.

Além do congelamento da tarifa de ônibus em R$ 4,25, os manifestantes pedem que haja uma revisão da licitação das empresas responsáveis pelo transporte da capital. “Em 2018, o Ministério Público do Paraná pediu que o contrato da prefeitura com as empresas fosse anulado”, lembrou no ato o deputado estadual Goura (PDT), em alusão a uma investigação do órgão que concluiu que a licitação tinha sido direcionada, e que culminou na denúncia de 14 pessoas, entre empresários e autoridades públicas, por fraude e falsidade ideológica. A denúncia, no entanto, não levou à prisão de ninguém — no fim de 2018, a Justiça decidiu que boa parte dos crimes havia prescrito, apesar da fraude ter sido comprovada pelo MP-PR.

Outras categorias de trabalhadores e estudantes também integraram o protesto, que ocupou a praça Rui Barbosa até 19h30. Por volta desse horário, o grupo e seu carro de som iniciaram uma caminhada rumo ao terminal Guadalupe. O trajeto levou cerca de 30 minutos, período no qual os manifestantes bloquearam totalmente a rua André de Barros, e foram escoltados pela Polícia Militar, que também orientou o trânsito na região.

O que diz a prefeitura

De acordo com a prefeitura de Curitiba, o valor do reajuste da passagem começou a ser estudado após o cálculo da previsão da nova tarifa técnica ter sido publicado em Diário Oficial. O preço foi de R$ 4,71 para R$ 4,79, e teria subido em função do fim da isenção do ICMS do óleo do diesel. Já o número final da tarifa que será paga pelo usuário do transporte a partir do dia 28 de fevereiro, veio depois de o governador do Paraná, Carlos Massa Ratinho Júnior (PSD), confirmar subsídio para o sistema. Serão R$ 40 milhões de verba estadual – a prefeitura de Curitiba vai injetar outros R$ 40 milhões.

O novo preço valerá também para nove municípios metropolitanos, em um esquema que indica a bilhetagem única para a região. A prefeitura também tem argumentado que o reajuste ficou abaixo da inflação e é necessário para a manutenção do sistema.

Fonte: Gazeta do Povo

Comente esta notícia