Notícias

Imagem

20 MIL METALÚRGICOS DA GRANDE CURITIBA PROTESTAM EM DEFESA DA EDUCAÇÃO PÚBLICA E DA APOSENTADORIA

Protestos ocorrem durante as assembleias lideradas pelo SMC nas portas de fábricas das principais empresas da região e engrossam a luta de professores e estudantes de todo o Brasil


Nesta quarta-feira (15 de maio), o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), filiado à Força Sindical, lidera dezenas de assembleias em diversas empresas da categoria em Curitiba e Região Metropolitana em apoio a Educação Pública e contra a atual proposta de Reforma da Previdência que acaba com a Aposentadoria. Neste dia, cerca de 20 mil metalúrgicos da Renault, Volkswagen, CNH, Bosch, Volvo, Brafer, Pic da Audi e de outras grandes empresas participaram da mobilização! O movimento começou ainda nas primeiras horas da manhã e deve se repetir durante todo o dia nas entradas dos demais turnos!

O ato também marca o apoio e intensifica a Greve Geral dos professores em resposta aos cortes na educação anunciados pelo Governo Federal na semana passada, quando foram bloqueados 30% das verbas de custeio das universidades e outros R$ 7,4 bilhões que afeta gastos previstos desde a educação infantil até os programas de fomento à pós-graduação. 

"A educação pública é a base de tudo no Brasil e não podemos abrir mão dela! Hoje é ela quem atende mais de 90% de toda a população de todas as faixas de idade no país e cortar estas verbas significaria além de um retrocesso muito grande, também um prejuízo enorme para o nosso futuro", destacou Sérgio Butka, presidente do SMC.

Butka destacou também a importância dos trabalhadores se envolverem nesta luta e neste debate: "muitos trabalhadores já saíram da universidade, mas seus filhos e netos ainda estão nessa fase e precisam da Educação Pública e de qualidade. Defender isso é defender o nosso direito, mas principalmente defender o futuro dos nossos filhos e netos. Se ficarmos parados veremos um Brasil 'colonial' onde só os filhos de famílias abastadas poderão estudar com qualidade e os dos trabalhadores não, ficando condenados a serem apenas mão-de-obra barata. Isso aumenta a desigualdade em todos os aspectos, como econômicos e sociais".

Repercussão

Os protestos liderados pela categoria em defesa da educação tiveram grande e positiva repercussão entre os trabalhadores e imprensa da Grande Curitiba. Rádios receberam durante toda a manhã imagens e mensagens de apoio dos trabalhadores que participaram das assembeias ou estavam de passagem pelos locais. Sites, rádios e jornais como a Tribuna do ParanáBanda BMassa FMBem Paraná e Clube FM repercutiram a manifestação.

Também pela manhã o presidente do SMC, Sérgio Butka, foi entrevistado ao vivo pelo jornalista Fábio Mandryk, do Programa "Boca no Trombone", da Clube FM. Na entrevista Butka teve a oportunidade de representar os trabalhadores, suas demandas e seus protestos durante a entrevista. Veja abaixo como foi:

 

Comente esta notícia